EN | Área de Sócio | Contactos            

Doença Inflamatória Intestinal

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia, em parceria com a Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino e a Associação CrohnColite Portugal, promove campanha de sensibilização destas doenças.

As Doenças Inflamatórias do Intestino (DII) são doenças crónicas do tubo digestivo. As mais importantes são a doença de Crohn e a Colite Ulcerosa.

A DII é uma doença com baixa mortalidade mas com elevada morbilidade, ou seja, pode ter um grande impacto na qualidade de vida, já que muitos doentes precisam de hospitalizações e cirurgias. É habitualmente diagnosticada em doentes jovens (pico de diagnóstico entre os 20-35 anos) e atinge doentes na sua fase de vida mais activa, tendo por isso impacto a nível das relações pessoais, profissionais, absentismo laboral, entre outros.
Não se sabe a causa exata da DII mas pensa-se que resulta de uma interação complexa entre predisposição genética, exposição a fatores ambientais e uma flora intestinal alterada da qual resulta alterações inflamatórias crónicas no intestino. É considerada uma doença mediada pelo sistema imunitário cuja incidência tem vindo a aumentar no Mundo Ocidental.
O principal fator de risco para desenvolver DII é ter um familiar afetado, embora apenas 15% dos doentes tenham história familiar positiva. O tabagismo é também um fator de risco para a Doença de Crohn.
Não existe atualmente nenhuma medida preventiva aprovada para a DII mas, promover um estilo de vida saudável, uma dieta equilibrada, evicção de tabagismo tem benefícios em todas as esferas da saúde.

DIAGNÓSTICO
Os sintomas mais comuns são: diarreia crónica (que dura mais de um mês), dor abdominal, e perda de sangue pelo ânus. Pode também haver perda de peso, fadiga, atraso de crescimento (nas crianças), anemia, dores e inchaço nas articulações, etc. É frequente haver um atraso no diagnóstico (tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico) que pode durar quase dois anos e que atrasa o início de tratamento eficaz podendo levar a doença mais complicada.
O diagnóstico da DII implica a combinação de dados clínicos, laboratoriais, imagiológicos e a realização de uma colonoscopia com biopsias.

TRATAMENTO
Não existe cura para a DII. Existem várias opções para o tratamento, sendo frequentemente utilizados medicamentos imunossupressores e fármacos biológicos, ou seja, remédios que tentam combater o ciclo de inflamação que se perpetua nestes doentes.
A cirurgia faz parte dos tratamentos e muitos doentes necessitam de cirurgia.
O objetivo do tratamento é devolver a qualidade de vida aos doentes e permitir que possam ter uma vida normal.