EN | Área de Sócio | Contactos            

Núcleo de Neurogastrenterologia e Motilidade Digestiva – NMD

A Neurogastrentrologia vê o ser humano, são e doente, numa perspetiva holística, como um todo, em que os múltiplos sistemas que o constituem se interligam entre si, ao invés de serem estanques.
Cabe assim, no âmbito da Neurogastrenterologia as doenças da interação cérebro – intestino, frequentemente designadas por doenças funcionais gastrointestinais.motilidade_site3
As doenças funcionais gastrointestinais, contrariamente às doenças ditas orgânicas, não têm uma base morfológica ou estrutural, antes assentam no modelo biopsicossocial de doença em que os sintomas são explicados pela interação complexa de alterações da motilidade, da sensibilidade visceral, da mucosa, do microbioma intestinal, do sistema imune local e do processamento de informação no sistema nervoso central.
São as doenças mais frequentes da Gastrenterologia, ditas da moderna civilização, sendo a mais conhecida a Síndrome do Intestino Irritável com uma prevalência estimada em cerca de 11%. O diagnóstico assenta essencialmente nos sintomas (revistos em 2016 – critérios de diagnóstico ROMA IV) apoiados, caso a caso, em exames subsidiários de diagnóstico, uns com o objetivo de excluir outras causas, nomeadamente as orgânicas, outros para validar a doença funcional (exames de motilidade digestiva como a manometria esofágica e ano-retal, a pH metria e impedância esofágicas, os testes respiratórios de hidrogénio). O tratamento é multidisciplinar, partindo da relação médico – doente, segundo escalas de gravidade de sintomas, englobando aspetos como o estilo de vida, a dieta, os fármacos, o apoio psicológico e / ou psiquiátrico, o biofeedback e as terapias alternativas como o yoga e o mindfulness.

 

O Núcleo de Neurogastrenterologia e Motilidade Digestiva (NMD) da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) pretende dar a conhecer este ramo recente da Gastrenterologia e, através das atividades desenvolvidas, ser um elo de ligação privilegiado entre a comunidade cientifica, os doentes e a população em geral.

Teresa Freitas